Hoje foi amplamente divulgado no FB e demais redes sociais duas matérias da revista Veja, uma com o título “Câncer Fashion” e outra sobre o massacre de Pinheirinho.
Ei-las:

 

Pois bem.

Respeito demais quem se posiciona perante questionamentos e acredita em uma vertente ideológica, religiosa, social, política, etc. Há muitos bufões farfalhantes por aí que promovem uma anarquia de ideologias, contradizendo-se quase sempre, em nome de um egocentrismo medíocre e simplório. Esse não merecem nem um pensamento condescendente, pois recebem suas migalhes no concordar de outros seres de igual falta de posicionamento próprio. Desta forma, não é de agora que todos sabem perfeitamente quais são as verdadeiras cores da revista Veja. Seu editorial sempre foi muito claro quanto a isso; que ninguém se engane.

Discordar é preciso. Ainda que em doses extremas. Precisamos dos extremos.

O que se viu hoje nessas duas matérias da Veja extrapolou o limite da falta de humanidade. Algo tão trevoso em sua essência que é preciso ler mais de uma vez para realmente acreditar em palavras tão rasteiras, lodosas e sem centelha sequer de humanidade. Nada, repito, NADA, nesse mundo pode fazer crer que alguém, mesmo sob a ameaça de uma arma ou o desemprego (no caso), compactue com tais escarros do mais baixo nível de precariedade intelectual, profissional e humana. Já vi mais piedade nos olhos de um psicopata do que nessas linhas gravadas em suas páginas para a eternidade.

O que incrementa ainda mais essa perversidade toda é o fato de que leitores simplesmente repetirão tais palavras sem sequer se darem ao trabalho de questionar uma vírgula sequer. Repetirão como metralhadoras no coração do ser humano. Desencadearão ainda mais ódio gratuito e falta de fraternidade em nome do que, exatamente? Mesmo nas cabeças mais rasteiras, não há nada para se aproveitar dessas matérias que não seja chafurdar em ódio e retrocesso.

Não gasto meu tempo indo tão longe nessas coisas. Talvez devesse fazer mais. Acredito realmente que cada um deve ter o direito de se expressar, seja qual for seu posicionamento. Porém, jamais compactuarei com a falta de compaixão, o desrespeito e a leviandade.

Dito isso, espero realmente que todos se posicionem perante estas duas matérias que tanta vergonha trazem à história do homem. Meu luto aos envolvidos intelectual, editorial e profissionalmente em tais matérias.

Assino aqui,
Álcio Villalobos

HELP!

abril 28, 2011

Ok, então

Sei que venho compartilhando muitos posts sobre adoção de bichos e assuntos ligados no meu Facebook e Twitter. Se você não gosta, toda a liberdade para me bloquear, ocultar, deletar, etc. Fique à vontade. Sério. Não vou parar de postar essas mensagens.

Combinado?

Ok, segue o baile.

Ontem voltando a pé do meu curso noturno, vinha pela Felicíssimo de Azevedo quando um gatinho siu correndo de dentro de uma casa direto pra rua. Infelizmente no mesmo caminho uma moto descia a rua muito rápido. Presenciei uma das cenas mais horríveis da minha vida. O motoqueiro, obviamente, nem se abalou e seguiu sua rota (é, pois é…). Eu fui atrás do pobre gato que estava se debatendo feito peixe no chão. A moto passou bem no meio de seu corpinho. Tentei pegá-lo na hora, mas isso só o deixou mais nervoso e agitado, indo parar debaixo de um carro estacionado.

Chamei a Ziza para me ajudar, já que o ocorrido foi a pouco mais de 300m da nossa casa. Ela veio, pegamos o gatinho embaixo do carro e levamos o mais rápido possível para um atendimento 24h ali na D. Pedro II, chamado Bicho Mania. Pensamentos positivos ao máximo, mas já sabíamos do inevitável. Quando a Ziza conseguiu tirar o gatinho debaixo do carro, ele já tinha “virado estrelinha”. Mesmo assim, levamos e a veterinária só confirmou… para a infelicidade do pobre animal e nossa consequente tristeza. O atropelamento foi fatal por ter basicamente destruído os órgãos internos do gatinho.

Até agora a imagem e os sons estão tatuados e queimados à ferro na minha mente e retina. Não páro de rever a cena e pensar no que eu poderia ter feito. Gritar pro motoqueiro e tentar “assustar” o gato para não correr pro meio da rua não foi o bastante. Se ele tivesse se desviado, pela velocidade que vinha, provavelmente ele teria se acidentado. Já se ele viesse na velocidade regular, a tragédia teria sido evitada facilmente. Talvez o motoqueiro pudesse xingar o gatinho, sei lá, aquela coisa “sai daí, gato louco!” ou algo do gênero… até aí tudo bem, pois ambos teriam seguido em frente.

Não sei bem o que eu quero escrevendo essa nota. A verdade é que isso não é sobre mim.

Canso de ler sobre pessoas que vêem bichos passando por dificuldades na rua e nada fazem ou esperam que outros façam. Não é sua obrigação, certo, entendi isso e não estou aqui para culpá-lo. Porém, será que você não poderia fazer nada mesmo? Prestar socorro é tão simples. Você não precisa adotar o animalzinho nem nada disso, mas fazer de conta que não viu ou não estender a mão na hora que você é necessário e pode fazer a diferença é simplesmente cruel. Não tem essa de “ah, mas eu não saberia o que fazer…”. Simples, leve a um veterinário. Depois é depois. Há mil caminhos, ongs, protetores, casas de passagem, etc, que você pode se informar e ver a melhor forma de ajudar, sem precisar “virar dono” de um bichinho de rua. Isso quando o animalzinho não tem dono. Pois a segunda providência (após veterinário) é anunciar que encontrou o animal, dar suas características e todos os detalhes importantes, nos canais disponíveis (internet, cartazes na rua encontrada, no próprio vet e pets próximas, etc). Há uma comunidade atenta à isso, bem viva e operante. Ou seja, HÁ o que ser feito.

Não deixe de lado, não pense que não é sua responsabilidade. O mínimo que pode ser feito, você pode.

Leve isso para outras áreas de tua vida também e veja o quanto tu és necessário: na tua família, em teu trabalho, com teus amigos… Abra um pouco os olhos para o que te cerca e deixa teu umbigo em paz por uns tempos.

Enfim, apenas um desabafo.

Abraço forte!

Álcio

Faraway (So Close)

junho 21, 2010

Sim, quase não venho mais aqui.

Seguinte, para mostrar que eu mordo a língua legal, tenho twitter agora…😛

twitter.com/alciovillalobos

Ali eu apareço mais….

De vez em quando venho ver como as coisas estão por aqui.😉

Laugh And A Half 2

maio 7, 2010

Muitas vidas mudarão após essa canção.

Laugh And A Half

maio 7, 2010

Porra Maurício!

Porra Lost!

Sniper Serra

Esses “Porra-alguma-coisa” e demais Tumblrs são (em sua maioria) excelentes!

Mussum, seu pé cresceu?! e Sérgio Chapelão!

Maurício de Souza e seus sempre criativos nomes para artistas reais: Rã-Na Montanha

A Drowning

maio 5, 2010

How To Destroy Angels é a “nova banda” (?!) do Trent Reznor, that weirdo Nine Inch Nails dude. Som em legal, na linha Portishead, Massive Attack… Boa surpresa.

Lovely

maio 4, 2010

Uma das bandas atuais mais legais: Beirut.

Já que o assunto é video, toma aí outro bem bacana. Dessa vez  dos hypados Liars:

Existe música bem feita sendo feita por aí. Ufa!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.